Programa final da Conferência Internacional Artes, Culturas e Média

No próximo dia 25 de Maio será realizada a Conferência Internacional Artes, Culturas e Média: Comunicação intercultural e paisagens tecnológicas no espaço de língua portuguesa. Este evento científico, realizado no âmbito do projeto de investigação “Memórias, culturas e identidades: o passado e o presente das relações interculturais em Moçambique e Portugal” (Cultures Past & Present), tem lugar na Universidade de Aveiro e associa-se ao I Congresso da Rede Nacional de Estudos Culturais (RNEC), que se realiza naquela universidade nos dias 26 e 27 de maio.

Mais de 30 comunicações compõem o programa que envolve ainda dezenas de investigadores de universidades de Portugal, Brasil, Moçambique e China. O encerramento será também marcado pela apresentação do livro “Abrir os Gomos do Tempo: Conversas Sobre Cinema em Moçambique”, editado pelas investigadoras do projeto Cultures Past & Present, Ana Cristina Pereira e Rosa Cabecinhas (CECS, Universidade do Minho, Portugal) e a exibição do filme O Ano da Morte de Ricardo Reis (João Botelho, 2020) e entrevista “De Saramago nos fazemos”, com Violante Saramago Matos, realizada por Luísa Antunes Paolinelli, no âmbito do centenário de José Saramago e da iniciativa “100 horas com Saramago”. Evento organizado em conjunto com o Museu Virtual da Lusofonia, a Universidade da Madeira, a Universidade Mackenzie de São Paulo e a Universidade do Minho.

Conheça o programa final.

Conferência Internacional Artes, Culturas e Média divulga programa provisório

No dia 25 de maio de 2022 se realiza a Conferência Internacional Artes, Culturas e Média: Comunicação intercultural e paisagens tecnológicas no espaço de língua portuguesa, no âmbito do projeto “Memórias, culturas e identidades: o passado e o presente das relações interculturais em Moçambique e Portugal”. A conferência terá lugar no prédio da Reitoria da Universidade de Aveiro.

Conheça o programa provisório:

9h00 – 9h30 | Sessão de abertura – Sala de Atos da Reitoria

Maria Manuel Baptista (Universidade de Aveiro, Portugal)

Moisés de Lemos Martins (CECS, Universidade do Minho, Portugal)

Eliseu Mabasso (Universidade Eduardo Mondlane, Moçambique)

9h30 – 11h00 | Sessão 1: Património cultural, memória e identidades

Sala: Sala de Atos da Reitoria

Palimpsestos de Lisboa – Francisco Ferreira da Silva  (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Portugal)

Memories of Portugal: The Transforming Identity and Dramatic Narration of Macau – Hongliang ZHOU (Zhejiang University, China)

Ruy Cinatti e a representação do “Outro”: ambiguidades e contradições – João Pedro Góis  (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Portugal)

Temporalidades sobrepostas – Notas sobre re-existir para além de resistir em Luís Bernardo Honwana  – Lurdes Macedo (CECS, Universidade Lusófona), Viviane Almeida (CEHUM, Universidade do Minho, Portugal) e Renata Zanete  (CEHUM, Universidade do Minho, Portugal)

A revalorização do artesanato na era pós-industrial – Luisa Leão Silva (Universidade da Beira Interior, Portugal)

11h00- 11h30 | Intervalo

11h30 – 13h00 | Sessão 2: Culturas e Identidades

Sala:  Sala de Atos da Reitoria

Foto-livro: contributos para uma arqueologia dos média – Maria da Luz Correia (CECS, Universidade Açores, Portugal) 

Lutos em 24 qps – relações ensaísticas entre luto e criatividade em representações cinematográficasHenrique Denis Lucas (Universidade da Beira Interior, Portugal)

A (Re)construção da memória cultural através do cinema: grupos focais sobre os filmes “48” e “Memória em 3 atos” – Isabel Macedo, Alice Balbé, Luís Camanho e Tiago Vieira da Silva (CECS, Universidade do Minho, Portugal)

Um estaleiro, um padrão, muitas vidas: a memória do património pela imagem – Carla Patrícia Ribeiro e Amândio Barros (Instituto Politécnico do Porto, Portugal)

A Europa nas paisagens mediáticas: imagens e representações na narrativa da crise europeia – Daniel Noversa (CECS, Universidade do Minho, Portugal)

11h30 – 13h15 | Sessão 3: Culturas e Identidades

Sala: Sala de Reuniões da Sala de Atos da Reitoria

A (im)possibilidade da memória cultural identitária na diáspora: uma reflexão a partir da narrativa sonora de Isabel Novela e o questionamento sobre a “moçambicanidade” – Sérgio Jeremias Langa (Escola Superior de Jornalismo, Moçambique) e António Cipriano Parafino Gonçalves (Universidade Eduardo Mondlane, Moçambique)

Iniciativa Maputo Fast Forward (MFF) : desenvolvimento do ecossistema cultural e criativo em Moçambique – Rui Trindade (QIDEIA) e Luís Teixeira (Universidade Católica Portuguesa, Portugal)

Cultura e narrativas moçambicanas na televisão – Celestino Joanguete (Universidade Eduardo Mondlane, Moçambique)

A midiatização da tatuagem no contexto do Instagram – Vanessa Barros (CECS, Universidade do Minho, Portugal)

13h00-14h00 | Almoço

14h00 – 15h45 | Sessão 4: Artes, educação e comunicação intercultural

Sala: Sala Atos da Reitoria

Os exames públicos e as premiações na construção ética e estética de professoras no Brasil  – Ana Paula Rufino  (CEEL, Universidade Federal de Pernambuco, Brasil)

Nó Górdio e Relações entre Moçambique e Portugal: Futuro inventado nas escolas moçambicanas da Província de Sofala – Armindo Armando, Augusto Alberto (Universidade Zambeze, Moçambique), Martins Mapera (Universidade Licungo, Moçambique) e Rosa Cabecinhas (CECS, Universidade do Minho)

Memória em três actos: ensinar com o filme ou abrutecer com o silêncio – Martins Mapera (Universidade Licungo, Moçambique)

Os fanzines como recurso didático e cultural no processo formativo de docentes – Clézio dos Santos (Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil)

Educação, criança e rua: dinâmicas sociais e políticas públicas em Moçambique – Marlene Vanessa Jamal (Universidade Zambeze, Moçambique), Moisés de Lemos Martins (CECS, Universidade do Minho, Portugal) e Júlio Chibemo (Universidade Zambeze, Moçambique)

Experimento Prático de Comunicação Para Mudança Social e de Comportamento em Saneamento e Higiene na Cidade da Beira – Manuela Pery (Universidade Zambeze) e Moisés de Lemos Martins (CECS, Universidade do Minho)

15h45 -16h00 | Intervalo

16h00 – 17h30 | Sessão 5: Museus, Artes e Narrativas – Sala: Sala de Atos da Reitoria

À procura de histórias desconhecidas no Museu Nacional de Etnologia em Nampula: quem são alguns dos mestres escultores e quais são as suas obras? – Alda Costa (Universidade Eduardo Mondlane, Moçambique) & Gianfranco Gandolfo

Património Africano: entre o passado e o presente coloniais – João Sarmento (CECS, Universidade do Minho, Portugal)

A arte contemporânea africana. Novos atores, novas estratégias – José Carlos Venâncio (CECS, Universidade da Beira Interior, Portugal)

As identidades transnacionais e transculturais. O Museu Virtual da Lusofonia como produto da pós-colonialidade, das lusofonias e da interculturalidade – Vitor de Sousa (CECS, Universidade do Minho, Portugal)

A figura feminina nas narrativas de jovens sobre a memória do passado colonial: um estudo a partir de Maputo e Nampula – Edson Mugabe e Eliseu Mabasso (Universidade Eduardo Mondlane, Moçambique)

16h00 – 17h45 | Sessão 6: Artes, culturas e novos média

Sala: Sala de Reuniões da Sala de Atos da Reitoria

Meu museu de arqueologia: processo de criação e desenvolvimento de um videogame para interatividade e compreensão do trabalho com acervos arqueológicos no Museu Paranaense – Nathan dos Santos Alves, Claudia Inês Parellada, Gabriel Ruviaro Gomes, João Vitor de Oliveira dos Anjos (Universidade Federal do Paraná, Brasil)

A arte, a inclusão e as TIC’s – Isaú Meneses (Instituto Superior de Artes e Cultura, Moçambique)

Jornalismo, cultura e educação: uma análise da plataforma digital O gerador – Susana Pimenta e Daniela Fonseca (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Portugal)

Observatório da Qualidade no Audiovisual: curadoria, produção experimental de conteúdo e divulgação científica – Gabriela Borges (Universidade do Algarve, Portugal)

A integração do telemóvel no ambiente escolar. Caso da escola Secundária Samora Machel- Chimoio/ Centro de Moçambique – Reginaldo Mutemba (​​Escola Superior de Jornalismo, Moçambique)

A comodificação da literatura nos hotéis literários e a perceção da sua autenticidade na Internet – Sara Pascoal, Laura Tallone, Marco Furtado (CEI, Instituto Politécnico do Porto, Portugal)

18h – 18h30 | Apresentação de Livros

Sala: Sala de Atos da Reitoria

Apresentação: Maria Manuel Baptista (Universidade de Aveiro, Portugal)

Apresentação do livro “Abrir os Gomos do Tempo: Conversas Sobre Cinema em Moçambique”, editado por Ana Cristina Pereira e Rosa Cabecinhas (CECS, Universidade do Minho, Portugal)

18h30 | Sessão de Encerramento

20h30 | Sessão de cinema e debate

Sala: Sala de Atos da Reitoria

Moderação: Moisés de Lemos Martins
Exibição do filme O Ano da Morte de Ricardo Reis com a presença do realizador João Botelho, no âmbito do centenário de José Saramago e da iniciativa “100 horas com Saramago”. Evento organizado em conjunto com o Museu Virtual da Lusofonia, Universidade da Madeira, a Universidade Mackenzie de São Paulo e a Universidade do Minho.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas através do formulário: aqui.

Organização:

Memórias, culturas e identidades: o passado e o presente das relações interculturais em Moçambique e Portugal (Cultures Past & Present)

CECS – Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho
RNEC – Rede Nacional em Estudos Culturais

Publicado livro “Abrir os Gomos do Tempo: Conversas Sobre Cinema em Moçambique” no âmbito do projeto

O livro “Abrir os Gomos do Tempo: Conversas Sobre Cinema em Moçambique“, editado por Ana Cristina Pereira (CES/UC) e Rosa Cabecinhas (CECS/UM)”, investigadoras do projeto “Memórias, culturas e identidades: o passado e o presente das relações interculturais em Moçambique e Portugal” (FCT/Aga Khan) acaba de ser publicado pela UMinho Editora. O livro publicado no contexto do projeto reúne um conjunto de entrevistas com personalidades sobre a história do cinema em Moçambique e está disponível em acesso aberto.

Este conjunto de conversas destina-se essencialmente a quem gosta de ouvir contar histórias. São conversas com um forte pendor cinematográfico, não só porque o mote que as atravessa é o cinema em Moçambique, mas sobretudo porque a forma como são reveladas as memórias que habitam esse espaço é também ela, muitas vezes, formulada através de imagens que têm movimento. Abrir os Gomos do Tempo: Conversas Sobre Cinema em Moçambique é também para aquelas pessoas que, como nós, ficam felizes ao ouvir de novo a frase, “um outro mundo é possível!” e tem, a nosso ver, a beleza e a força das palavras daqueles que acreditam em novas possibilidades de vida. O livro abre com um prefácio de Nataniel Ngomane e é constituído por um conjunto de conversas com personalidades chave da história do cinema moçambicano: Américo Soares, Faria de Almeida, Gabriel Mondlane, Jean-Luc Godard, João Ribeiro, José Cardoso, Licinio Azevedo, Lopes Barbosa, Luís Carlos Patraquim, Pedro Pimenta, Ruy Guerra e Sol de Carvalho. As entrevistas foram realizadas por Ana Cristina Pereira, Diana Manhiça, Lurdes Macedo, Maria do Carmo Piçarra, Rosa Cabecinhas, Sheila Khan e Sílvia Vieira. O livro remata com um discurso de José Luís Cabaço, proferido em 1980, altura em que era ministro da informação de Moçambique, acompanhado por uma introdução, feita pelo próprio, que corresponde à sua leitura atual desse discurso enquanto ministro. Este livro é dedicado à memória de Joaquim Lopes Barbosa (1945–2021) e simultaneamente é uma sentida homenagem a todos os cineastas que tiveram a coragem de enfrentar a censura do Estado. Este gesto modesto pretende dar ânimo a todas as pessoas que ainda a enfrentam, nas suas variadíssimas formas. Os ditadores morrem, os regimes passam e os filmes ficam.

O livro publicado em acesso aberto pode ser acessado através de https://ebooks.uminho.pt/index.php/uminho/catalog/view/49/130/1385-3

Investigadores do projeto participam do XII SOPCOM

Diversos investigadores do projeto “Memórias, culturas e identidades: o passado e o presente das relações interculturais em Moçambique e Portugal” apresentaram comunicação no XII Congresso SOPCOM – Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação – com tema Comunicação & Disrupção. Desafios culturais, societais e tecnológicos. Esta edição decorreu no formato presencial em Lisboa, entre os dias 11 e 13 de abril de 2022, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa.

Participaram do Congresso com comunicação os investigadores do projeto:

Alice Balbé (CECS/UM) & Luís Camanho (ID+/FBLUP) “Olhar as relações interculturais nos filmes de Margot Dias. Objetividades, subjetividades e opacidades”.

Isabel Macedo & Tiago Vieira da Silva (CECS/UM) “Imigrante, estrangeiro, “o outro”? Representações das identidades culturais no cinema português”.

Ana Cristina Pereira (CES/UC) “(Re)vestindo o colonialismo: a alta costura de Olavo Amado”.

Tiago Silva, Moisés de Lemos Martins & Elaine Trindade (CECS/UM) “Reminiscênciais coloniais sob o signo do onirismo: A Batalha de Babatô (2013) e Our Madness (2018) de João Viana”.

Vítor Sousa (CECS/UM) “As marcas do luso-tropicalismo nas intervenções do Presidente da República português Marcelo Rebelo de Sousa (2016-2021)”

Rosa Cabecinhas (CECS/UM) “Emigrantes e imigrantes: Imagens, clivagens e miragens nos manuais escolares portugueses”.

Isabel Macedo, Alice Balbé & Rosa Cabecinhas (CECS/UM) “Invisibilidades e racismo: as representações da população cigana nos manuais de História em Portugal”.

O próximo Congresso SOPCOM será realizado na Universidade do Minho em fevereiro de 2024.

Abertas inscrições para a Conferência Internacional Artes, Culturas e Média

A Conferência Internacional Artes, Culturas e Média: Comunicação intercultural e paisagens tecnológicas no espaço de língua portuguesa, organizada pelo projeto Cultures Past & Present já tem inscrições abertas para participantes com e sem comunicação no formato presencial ou virtual. A Conferência será realizada no dia 25 de maio de 2022 na Universidade de Aveiro e associa-se ao I Congresso da Rede Nacional de Estudos Culturais (RNEC), que se realiza naquela universidade nos dias 26 e 27 de maio.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas através do formulário: aqui.

A chamada de trabalhos com submissão de resumos encontra-se aberta até dia 10 de abril de 2022. Mais informações aqui.

Organização:

Memórias, culturas e identidades: o passado e o presente das relações interculturais em Moçambique e Portugal (Cultures Past & Present)

CECS – Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho
RNEC – Rede Nacional em Estudos Culturais

Chamada de trabalhos: Conferência Internacional Artes, Culturas e Média: Comunicação intercultural e paisagens tecnológicas no espaço de língua portuguesa

Encontra-se aberta, até ao dia 10 de abril, a chamada de trabalhos para a Conferência Internacional Artes, Culturas e Média: Comunicação intercultural e paisagens tecnológicas no espaço de língua portuguesa. Este evento científico, realizado no âmbito do projeto de investigação “Memórias, culturas e identidades: o passado e o presente das relações interculturais em Moçambique e Portugal”, tem lugar na Universidade de Aveiro no próximo dia 25 de maio e associa-se ao I Congresso da Rede Nacional de Estudos Culturais (RNEC), que se realiza naquela universidade nos dias 26 e 27 de maio.

As transformações digitais que ocorrem na sociedade contemporânea fazem convergir tecnologias da informação, média, artes e culturas, ao mesmo tempo que alteram atitudes e práticas. A nova paisagem tecnológica é a de uma cultura em “status nascendi”, uma cultura que tanto compreende novas ferramentas, de artistas e criadores, como perpassa arquivos, museus, filmes… transformando-os e transformando também as práticas de ensino-aprendizagem. As obras e narrativas, tanto culturais como artísticas, podem ser transferidas de um meio de comunicação para outro, e mesmo convertidas, mediante licença, em mercadoria, ou até darem origem a um outro produto.

Nesta conferência internacional propomos debater as atuais transformações tecnológicas nas artes, culturas e média, interrogando a sua produção, no processo de conversão para o digital, assim como os públicos e a sua interação com as obras produzidas. Pretende-se, ainda, explorar os contributos das plataformas e repositórios digitais na promoção do acesso aberto ao conhecimento. Convidamos os investigadores a refletir sobre as várias formas de interconexão tecnológica nas artes, culturas e média, incidindo sobre um ou mais dos seguintes tópicos:

– culturas, artes e públicos;

– património cultural e artístico e a sua comunicação digital;

– cultura digital, infraestruturas tecnológicas e desenvolvimento local sustentado;

– literacias, participação cívica e ação criativa;

– produção cultural (digital) nos países de língua portuguesa;

– criatividade tecnológica na cultura e a preocupação com a cidadania e a inclusão social;

– manuais escolares, bases de dados digitais, museus virtuais e repositórios de conhecimento em acesso aberto;

– novas atmosferas tecnológicas e práticas profissionais no contexto digital (web designers, curadores, gestores de museus virtuais, ativistas, youtubers…);

– proteção, segurança e comunicação de conteúdos culturais digitais;

– tecnologias e comunicação para o desenvolvimento.

O resumo (entre 200 a 300 palavras) com título e palavras-chave deverá ser enviado até 10 de abril para: cultures_past_present@ics.uminho.pt

A participação é gratuita, mas sujeita a inscrição prévia: http://www.lasics.uminho.pt/culturespastandpresent/?page_id=817&lang=pt

Organização:

Memórias, culturas e identidades: o passado e o presente das relações interculturais em Moçambique e Portugal (Cultures Past & Present)

CECS – Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho
RNEC – Rede Nacional em Estudos Culturais

Mesa redonda sobre “Representações da Escravatura e Tráfico Negreiro nos Manuais Escolares”

Terá lugar, no próximo dia 8 de fevereiro, pelas 18h00, uma mesa redonda dedicada ao tema “Representações da Escravatura e Tráfico Negreiro nos Manuais Escolares”. O encontro conta com a participação dos investigadores Jacob Lussento Cupata, Armindo Armando e Alice Balbé e será moderado por Rosa Cabecinhas.

Esta mesa temática decorrerá no âmbito da exibição da exposição “Império do Medo: exposição sobre a escravatura e o tráfico negreiro”, que está patente na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, de 12 de janeiro a 12 de fevereiro.

Esta atividade é uma parceria entre a Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva e o Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, através do Seminário Permanente de Comunicação e Diversidade, do Seminário Permanente de Estudos Pós-Coloniais e do projeto Cultures, Past & Present –  Memórias, culturas e identidades: o passado e o presente das relações interculturais em Moçambique e Portugal.

O evento decorrerá online.

Investigadores moçambicanos do Projeto Cultures Past & Present realizam intercâmbio em Portugal

Os investigadores do projeto Cultures Past & Present e estudantes de Doutoramento em Língua, Cultura e Sociedade da Universidade Zambeze, de Moçambique, Armindo Armando, Augusto Alberto e Marlene Vanessa M. Jamal, estão em Portugal a desenvolver um intercâmbio científico na Universidade do Minho.

O intercâmbio é realizado no âmbito da parceria entre a Universidade Zambeze e a Universidade do Minho, através de um Acordo de Cooperação entre as duas universidades, que coordenam o Programa Doutoral em Língua, Cultura e Sociedade, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanidades (FCSH), da UniZambeze. Os investigadores estão a frequentar as aulas do Doutoramento em Estudos Culturais, no Instituto de Ciências Sociais, da Universidade do Minho. O intercâmbio terá duração de seis meses.

Investigadores Augusto Alberto, Marlene Jamal e Armindo Armando no Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho – Braga, Portugal

A investigação de ambos têm temas relacionados com as linhas de pesquisa do projeto Cultures Past & Present, pelo que os investigadores ressaltam o contributo para a formação, como refere Armindo Armando: “a integração nas atividades consolida relações interculturais e académicas. Considero que é determinante para a formação e de qualidade, nos dá espaço para receber feedback da investigação em curso e de perspectivas diferentes”. Augusto Alberto complementa que espera ter orientação académica e enriquecimento da tese com a experiência. Para Marlene é desafiador estar em Portugal, pois são dinâmicas de trabalho diferentes, ao mesmo tempo que é uma oportunidade de focar na tese, ter acesso à bibliografia, contato com professores e investigadores, “espero aprender muito, me integrar na equipa, olhar de forma diferente para a própria pesquisa. É uma experiência inovadora e espero levar conhecimento diverso para o meu país e recolher o máximo de informação.”.

Além das aulas do doutoramento, os investigadores têm participado de eventos científicos, reuniões e outras atividades do projeto Cultures Past & Present. Eles já apresentaram seus trabalhos nas VIII Jornadas Doutorais em Comunicação e Estudos Culturais, organizada pelo Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS), na Universidade do Minho, do Seminário História, Média e Educação: pesquisa-ação em Moçambique e Portugal, uma organização conjunta do Seminário Permanente para a Investigação e Comunidade e do Seminário Permanente de Comunicação e Diversidade, do CECS, e do VII Congresso Internacional de Culturas, organizado pela Rede Internacional de Estudos sobre Culturas e em dezembro, Armando e Alberto apresentarão comunicação no Colóquio Internacional Artes, ócio e turismo: diálogos do desassossego, na Universidade de Aveiro.

Investigadores Augusto Alberto, Marlene Jamal e Armindo Armando com a professora Rosa Cabecinhas no âmbito das Jornadas Doutorais.
Foto: Sofia Gomes

No Doutoramento em Língua, Cultura e Sociedade, da Universidade Zambeze, Armindo Armando desenvolve investigação na área dos manuais escolares com a proposta de tese intitulada “Diversidade Cultural e Desafios da Unidade Nacional nos Manuais de Ensino de História de Moçambique”. Natural da cidade de Pemba, Província de Cabo-Delgado, é Mestre em Ciências Políticas e Relações Internacionais com especialidade em Resolução de Conflitos e Diplomacia pelo Instituto Superior de Ciências e Tecnologia Alberto Chipande (ISCTAC), Licenciado em Ensino de Filosofia com habilitações em Ensino de História pela Universidade Pedagógica. É docente na Faculdade de Ciências Económicas do ISCTAC, tutor do Instituto Superior de Ciências de Educação à Distância (ISCED) e no Instituto de Educação à Distância da Universidade Católica de Moçambique.  Além de integrar a equipa do projeto Cultures Past & Present, é membro-colaborador do grupo de pesquisa sobre Aprendizagem e Cultura Organizacional na contemporaneidade: narrativas dialógicas emancipatórias, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Brasil. Armindo contou ainda com apoio do Instituto de Bolsa de Estudo e com a Universidade Zambeze.

Augusto Alberto investiga o uso do cinema no ensino, no âmbito do Doutoramento em Língua, Cultura e Sociedade, da UniZambeze, com a proposta da tese intitulada: “Cinema, Interculturalidade e Educação- Estudo de caso das Escolas Secundárias da Província de Sofala ”. Mestre em Ensino de Filosofia na Universidade Pedagógica – Maputo, Licenciado em ensino de Filosofia na Universidade Pedagógica- Beira. Augusto Alberto é docente da Universidade Licungo – Delegação da Beira, afeto na Faculdade de Letras e Humanidade, Departamento de Ciências Sociais e Filosóficas, Curso de Filosofia.

Marlene Vanessa Marques Jamal, no âmbito do Doutoramento em Língua, Cultura e Sociedade, na UniZambeze, investiga a (in)visibilidade das crianças em situação de rua e na rua na cidade de Quelimane, tendo como proposta de tese: “Educação social de rua como mudança paradigmática em Moçambique: um estudo de caso das crianças em situação de rua na cidade de Quelimane. É Mestre em Línguas, Literaturas e Culturas, pela Universidade de Aveiro – Portugal, Licenciada em Ensino de Português pela Universidade Pedagógica em Quelimane. Docente da Universidade Licungo – sede em Quelimane, na Faculdade de Letras e Humanidades.

Investigadores Armindo Armando, Augusto Alberto, professora Rosa Cabecinhas, Marlene Jamal e Alice Balbé no Seminário História, Média e educação: pesquisa-ação em Moçambique e Portugal

Investigador Moisés Martins recebe Insígnia de Ouro da Universidade de Santiago de Compostela

A Universidade de Santiago de Compostela atribui a Insígnia de Ouro ao investigador Moisés de Lemos Martins, professor catedrático do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade do Minho, diretor do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) e coordenador do projeto Cultures Past & Present.

A distinção atribuída pela universidade galega é um reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pelo docente do ICS em prol do fortalecimento de relações, académicas e culturais, no espaço lusófono. Este reconhecimento é concedido a “personalidades que se destacam por serviços prestados à instituição, tanto por razão da sua longevidade, como pela sua especial relevância”. Juntamente com o diretor do CECS, também Margarida Krohling Kunsch, docente da Universidade de São Paulo (Brasil), receberá a Insígnia de Ouro desta universidade da Galiza.

Moisés de Lemos Martins é diretor do CECS e das revistas científicas desta unidade de investigação (Comunicação e Sociedade, Revista Lusófona de Estudos Culturais e Vista). É também diretor do Museu Virtual da Lusofonia, uma estrutura que está no Google Arts & Culture e que passou a ser uma unidade cultural da Universidade do Minho, no início de 2021. Foi diretor do Departamento de Ciências da Comunicação e presidente do Instituto de Ciências Sociais.

Professor Moisés de Lemos Martis

Foi ainda presidente da Sopcom (Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação), da Lusocom (Federação Lusófona de Ciências da Comunicação) e da Confibercom (Confederação Ibero-Americana de Associações Científicas e Académicas de Comunicação), sendo atualmente o secretário geral da Assibercom (Associação Ibero-Americana de Comunicação).

Entre a sua obra constam: Pensar Portugal – A Modernidade de um País Antigo (2021), Crise no Castelo da Cultura (2011), L’imaginaire des médias (com Michel Maffesoli, 2011), Portugal Ilustrado em Postais (com Madalena Oliveira, 2011), Caminhos nas Ciências Sociais (2010), Comunicação e Lusofonia (com Helena Sousa e Rosa Cabecinhas, 2006), A Linguagem, a Verdade e o Poder (2002), e, O Olho de Deus no Discurso Salazarista (1990).

A solenidade foi realizada em outubro, Salón de Graos do Colexio de San Xerome, da USC, em Santiago de Compostela, e contou ainda com a presença do Reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro, entre outros investigadores e autoridades.

Investigadores do Projeto participam do VII Congresso Internacional de Culturas

Reencantar as Culturas é o tema do VII Congresso Internacional de Culturas organizado pela Rede Internacional de Estudos sobre Culturas, realizado de 24 a 26 de novembro de 2021. Diversos investigadores do projeto Cultures Past & Present participam do congresso com apresentação de trabalhos, painéis, mediação de sessões, além da organização e comissão científica.

A sétima edição do Congresso de Culturas é realizada através do portal Culturas e com transmissão pelo canal do Congresso no YouTube, devido às condições impostas pela pandemia de Covid-19.

A Rede Internacional de Estudos sobre Culturas reúne universidades brasileiras, portuguesas e moçambicana, nomeadamente, a Universidade Federal da Bahia e a Universidade do Recôncavo da Bahia, do Brasil, a Universidade do Minho e a Universidade da Beira Interior, de Portugal, e a Universidade Zambeze, de Moçambique.

Acompanhe o programa de apresentações:

No dia 25/11:

  1. “O passado que não quer passar?”: o passado colonial no imaginário de jovens na província de Maputo | Edson Mugabe; Belchior Canivete; Eliseu Mabasso. No GT 1 – Sala 1. Horário: 14h BR – 17H PT – 19H MZ
  2. Representações do “eu” e do “outro” nos manuais escolares portugueses: passado, presente e futuro das relações interculturais | Alice Balbé; Rosa Cabecinhas; Isabel Macedo. No GT 1 – Sala 2. Horário: 14h BR – 17H PT – 19H MZ
  3. O cinema e o povo: olhares contra-hegemónicos no filme Deixem-me ao menos subir às palmeiras (1971) de Lopes Barbosa | Tiago Vieira da Silva; Isabel Moreira Macedo; Moisés de Lemos Martins. No GT 1 – Sala 3. Horário: 14h BR – 17H PT – 19H MZ
  4. Educação, criança e rua: Dinâmicas sociais e políticas públicas em Moçambique| Marlene Vanessa Marques Jamal; Moisés de Lemos Martins; Júlio Chibemo Taimira. No GT 5 – Sala 12. Horário: 14h BR – 17H PT – 19H MZ
  5. A investigadora Rosa Cabecinhas é mediadora do GT 1 – Cultura, política, democracia e combate a desigualdades e opressões, que coordena com Rita Aragão, da Universidade Federal da Bahia, José Rosa e Urbano Sidoncha, da Universidade da Beira Interior.

No dia 26/11:

No painel 4 – Culturas das Redes – participam Moisés Martins e Martins Mapera, junto com Annamaria Palacios e Messias Bandeira, da Universidade Federal da Bahia. Horário: 10h30m BR – 13h30m PT – 15h30m MZ

  1. Percepções de professores e alunos sobre o uso de filmes no ensino de história: Estudo de caso da Província de Sofala | Augusto Alberto; Martins Mapera; Rosa Cabecinhas. No GT 3 – Sala 50. Horário: 14h BR – 17H PT – 19H MZ
  2. Representação Social da História de Moçambique nas Escolas Secundárias: província de Sofala | Armindo Armando; Martins Mapera; Rosa Cabecinhas. No GT 3 – Sala 50. Horário: 14h BR – 17H PT – 19H MZ
  3. A mobilidade como eixo estruturante da CPLP para os próximos anos, para potenciar a cultura e as indústrias criativas | Vítor de Sousa; Pedro Rodrigues Costa; Manuel Gama. No GT 1 – Sala 16. Horário: 14h BR – 17H PT – 19H MZ

Mais informações:  https://culturas.cc/congresso2021/