Alain Kiyindou em conferência sobre “Inteligência artificial e desenvolvimento socio-económico”

Alain Kiyindou, Professor de Comunicação na Universidade de Bordéus, ministrou a conferência “Inteligência artificial e desenvolvimento socio-económico”, no passado dia 28 de maio, pelas 15h00, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

No âmbito do programa doutoral em Estudos de Comunicação: Tecnologia, Cultura e Sociedade, o CECL e o CIMJ, enquanto parceiros integrados neste doutoramento, procuraram promover um questionamento sobre o uso das redes sociais na sua capacidade de exprimir atos solidários e de partilha.

IMG_7592

Conferência de Alain Kiyindou

O CECL e o CIMJ, enquanto parceiros integrados neste doutoramento, promovem esta conferência de Alain Kiyindou, Professor de Comunicação na Universidade de Bordéus, subordinada ao tema: “Inteligência artificial e desenvolvimento socio-económico”. A conferência terá lugar na FCSH – Nova, em Lisboa, no dia 28 de Maio, pelas 15h00 – Auditório 1.
(Propõe-se um questionamento sobre o uso das redes sociais na sua capacidade de exprimir atos solidários e de partilha.)
A conferência será assegurada em português, com tradução simultânea e será comentada no fim pela Professora Graça Simões.
Dada a atualidade da temática que visa abrir perspetivas de análise nas Ciências da Comunicação, faz-se um apelo aos doutorandos para procederem à inscrição neste evento. A formação em áreas afins à de especialização na tese é extremamente importante e é uma mais-valia que este doutoramento promove.
Para podermos proceder a toda a organização necessária, pedimos a
​maior celeridade no processo de inscrição, junto do Secretariado:
Sofia Gomes (emilianasofiagomes@gmail.com)
Natália Manso (cimjmedia@gmail.com)

Comissão de Acompanhamento Externa em Portugal

No dia 9 de abril, os membros Comissão de Acompanhamento Externa (CAE) reuniram-se com os doutorandos e com a Comissão Diretiva.

A CAE é responsável pela supervisão e monitorização do desenvolvimento e atividade do Doutoramento. É formada pelo  Professor Marcos Palacios (Faculdade de Comunicação, da Universidade Federal da Bahia, UFBA, e Professor Catedrático visitante na Universidade da Beira Interior – UBI), Professor Rémy Rieffel (Université de Paris II Panthéon-Assas e Institut Français de Presse) e Professor Peter Dahlgren (Professor Emérito da Lund University).

Na agenda da visita dos membros da CAE  esteve uma reunião com os doutorandos das quatro edições do programa, que decorreu na Sala de Atos do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho.

Após o momento formal da reunião, os participantes puderam estender o debate e partilha de reflexões sobre o funcionamento do programa durante as quatro últimas edições (em curso) durante um almoço-convívio.

_DSC_0001 _DSC_0007 _DSC_0030

As transformações culturais e o campo da cultura na era digital

DSC_0234

“Is the digital revolution a cultural revolution?” foi o título da palestra que Rémy Rieffel, investigador da Universidade de Paris, apresentou no passado dia 9 de abril.

Rémy Rieffel problematizou os limites das transformações culturais que afetam a cultura na era digital. A apresentação retomou a visão de campo cultural, de Pierre Bourdieu, para refletir sobre as mudanças vividas nesta área com a disseminação sobretudo dos novos média, com as redes sociais. De um lado, Rieffel apresentou elementos defendidos por otimistas, entre eles Henry Jenkins, que consideram que a cultura da convergência amplia a participação. Por outro lado, o autor destacou a desconfiança de investigadores que enfatizam os aspetos negativos da era digital, especialmente o monitoramento que se cria sobre os indivíduos, restringindo a liberdade, nos moldes do que previu George Orwell na obra “1984”.

Rieffel identificou três mudanças principais no campo cultural ensejadas pelos novos média: uma mudança nas formas de visibilidade, que está diretamente associada a uma economia dos likes e das partilhas, evidenciando disputas pela popularidade, pela autoridade, pela reputação e pela predileção; o crescimento de uma cultura híbrida, que aproxima e até mistura diferentes dimensões culturais, estilos, como o erudito e o popular; e o crescimento de uma cultura participativa e colaborativa na produção cultural, o que se efetiva por exemplo pelo uso de licenças livres (Creative Commons).

Para o investigador as desigualdades de acesso e de participação no campo cultural não mudaram no ambiente digital. O que significa que as transformações se deram principalmente nas formas de produção e de difusão, mas não ocorreram nas relações de poder. E mesmo o impacto dessas mudanças não é homogêneo. Para o autor, é mais adequado falar de uma nova configuração cultural, mas não necessariamente numa revolução, pois este ainda é um trabalho em progresso.

Rieffel argumenta que a própria ideia de que tudo mudou com a revolução digital é uma ideologia. Afinal, estamos conectados como previu Marshall McLuhan, formando uma grande aldeia global, mas o comportamento do homem não mudou por causa das tecnologias.

A presença de Rémy Rieffel em Portugal resultou da sua visita à Universidade do Minho enquanto membro da Comissão de Acompanhamento Externa do programa doutoral em Estudos de Comunicação: Tecnologia, Cultura e Sociedade.

Rémy Rieffel em palestra sobre revolução digital e cultural

“Is the digital revolution a cultural revolution? é o título da conferência que o investigador Rémy Rieffel apresentará no dia 9 de abril, pelas 14h30, na sala de atos do ICS.

BrighterFuture
A conferência procurará questionar a forma como as tecnologias digitais promovem uma cultura participativa e que mudanças estão a ocorrer na produção, disseminação e receção de bens culturais.
Rémy Rieffel vem a Portugal na qualidade de membro da Comissão de Acompanhamento Externa do programa doutoral em Estudos de Comunicação: Tecnologia, Cultura e Sociedade.

“Cinema como uma obra de arte e um meio”

“Como nos expressamos através de uma imagem em movimento?” foi esta a pergunta que deu inicio à formação sobre “A narrativa cinematográfica”, ministrada pelo Professor Nelson Zagalo, no passado dia 20 de março.DSC_0016DSC_0011

A ação de formação, realizada no âmbito Doutoramento FCT em Estudos de Comunicação: Tecnologia, Cultura e Sociedade, teve como objetivo “responder às necessidades dos alunos do programa”, explicou Anabela Carvalho, uma das organizadoras e diretora do programa doutoral.

Encarar “o cinema como uma obra de arte e um meio” foi uma das ideias chave avançadas por Nelson Zagalo, numa formação em que foram tratadas questões como a importância e a comunicação da narrativa; a narrativa cinematográfica enquanto drama; o mito narrativo; as preferências da audiência; a gestão da informação, entre outros pontos.

Abertas inscrições para formação “A Narrativa Cinematográfica”

Estão abertas as inscrições para a próxima formação no âmbito do programa de Doutoramento FCT em Estudos de Comunicação.

“A Narrativa Cinematográfica” é o tema da formação que será ministrada pelo professor  Nelson Zagalo, professor da Universidade de Aveiro e investigador do CECS.

A sessão está marcada para o dia 20 de março e tem início previsto para as 14h00, na Sala de Atos do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho.

Resumo da formação:
Nos últimos anos com os desenvolvimentos no campo do transmedia, passámos a necessitar de compreender as estruturas narrativas nas suas funções adaptativas multimodais. Nesse sentido, foi necessário estabelecer uma compreensão operativa da narrativa enquanto estrutura de comunicação.
Ao longo deste workshop discutiremos as singularidades estéticas da multimodalidade do Cinema destacando a convergência de meios, procurando compreender como é que a narrativa permeia e conduz os recetores à compreensão.
A 3ª hora pode seguir duas abordagens distintas, depende do que preferirem
a) Apresentaremos e discutiremos um conjunto de abordagens e modelos de análise aplicados ao estudo e investigação do cinema, que discriminarão as abordagens multimodais das abordagens pelo conteúdo.
ou
b) Realizaremos um pequeno exercício de criação narrativa, com o objetivo de solidificar a compreensão das diferenças entre narrativa e história, assim como do potencial comunicativo do uso de diferentes media.
Os interessados em frequentar a formação devem enviar email com indicação de nomecurso contacto para emilianasofiagomes@gmail.com
Pedimos, ainda, que nos informem sobre a preferência relativamente ao programa da última hora.

Comunicação Visual em formação do Doutoramento em Estudos da Comunicação: Tecnologia, Cultura e Sociedade

Comunicação Visual/Sintaxe Visual. Como estudar ou analisar imagens? Quais os princípios da linguagem visual?” foi o tema da mais recente formação realizada no âmbito do programa de Doutoramento FCT em “Estudos da Comunicação: Tecnologia, Cultura e Sociedade”.

DSC_0007

Da parte da manhã, Francisco Mesquita, professor na Universidade Fernando Pessoa, abordou questões como a comunicação visual ao longo do tempo; representações visuais – o desenho, a fotografia, a infografia – e os elementos e princípios elementares da Comunicação Visual.

Depois do almoço, a formação seguiu para um ponto dedicado às metodologias do design e à utilização da imagem enquanto recurso gráfico. “Foi fomentada uma discussão participada com base em diversos exemplos da comunicação e da arte contemporânea, desde as artes gráficas e publicidade às artes plásticas”, explicou Helena Pires, uma das organizadoras da formação.

Por fim, houve tempo para um trabalho prático com exercícios básicos que tiveram a imagem e a sintaxe visual como tema. Segundo Helena Pires, “o objetivo da iniciativa consistiu em oferecer aos formandos uma oportunidade de consolidação de conhecimentos e competências respeitantes à literacia visual, na sua articulação com os seus diversos projetos de investigação/pesquisas, no quadro da área da comunicação”.

A formação contou com cerca de duas dezenas de alunos, provenientes do doutoramento em “Estudos da Comunicação: Tecnologia, Cultura e Sociedade” e outros cursos do segundo e terceiro ciclos do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho.

Formação sobre “Comunicação Visual/Sintaxe Visual. Como estudar ou analisar imagens? Quais os princípios da linguagem visual?”

Decorre no próximo dia 30 de janeiro mais uma formação organizada no âmbito do Doutoramento FCT em “Estudos de Comunicação: Tecnologia, Cultura e Sociedade”.

Comunicação Visual/Sintaxe Visual. Como estudar ou analisar imagens? Quais os princípios da linguagem visual?” é a temática da formação ministrada por Francisco Mesquita – investigador e professor na Universidade Fernando Pessoa.

A sessão terá início às 10h00, na Sala de Atos do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho.

Os interessados em frequentar a formação devem inscrever-se através de email para emilianasofiagomes@gmail.com, referindo a possibilidade de levar os seus computadores com os seguintes softwares: photoshop e ilustrator (esta condição não impede a participação).

A entrada é gratuita e os participantes terão direito a certificado.

Entrada livre no III Congresso Internacional sobre Culturas

O programa de Doutoramento FCT em “Estudos de Comunicação” associou-se ao III Congresso Internacional sobre Culturas – Interfaces da Lusofonia, permitindo aos doutorandos a isenção do pagamento da inscrição.

CongressoCulturas

Os doutorandos com interesse no certificado de participação devem, desde já, enviar email para 3congressoculturas@gmail.com, identificando-se como alunos deste doutoramento e solicitando o certificado.

O programa já se encontra disponível em http://www.3congressoculturas.pt